Seguidores

sábado, 13 de novembro de 2010

E Segue a Sina!!

Aconteceu no curso técnico de enfermagem Factum: um aluno insatisfeito com sua nota numa das provas realizadas, resolveu bater na orientadora educacional do curso.
Este tipo de situação já acontece há muito tempo nas escolas públicas deste país e não necessariamente por questões de avaliação. Basta um desentendimento entre as partes para explodir a violência desmedida.
No Rio de Janeiro também houve casos deste tipo em que a professora foi agredida a cadeiradas.
Um professor, se não me engano, da região central do país, explodiu em gritos por não aguentar a situação caótica da educação e de sua vida profissional. Outro professor jogou longe o notebook em uma palestra com alunos da faculdade.
Acumulam-se os casos de professores agredidos, enlouquecidos e afastados por problemas psicológicos do trabalho.
Sempre temos cursos de reciclagem, um atrás do outro,para melhora nosso nível profissional. Os discursos são inúmeros sobre a baixa qualidade da educação. Temos que qualificar os professores. Mas quando iremos qualificar nossos alunos? Temos que avaliá-los mas não podemos dizer qual sua real condição de aprendizagem pois sofremos ameaças de todos os lados, pais, aluno e Secretaria de Educação. Sim Secretaria de Educação também, pois se o percentual de reprovação é alto não é aceito, "não é possível" dizem os coordenadores.
Sei que chateio com seguidas escritos sobre o mesmo assunto mas fica difícil não falar sobre isso pois a educação se reflete na sociedade, ela é a base de tudo, significa o nível de desenvolvimento
do país. Economicamente nosso país deu um salto mas pela falta de educação técnica e moral, temos que importar mão de obra, somos mal vistos fora de nossas fronteiras, ao contrário do que pensamos, não sabemos votar, não pela escolha em si dos candidatos, mas como escolhemos os candidatos, enfim... sem a educação não somos nada!!
E segue a sina...
Enquanto as pessoas acharem que a escola está aí para acomodar seus problemas pessoais e não ensiná-los a resolver não chegaremos a lugar nenhum.

Um comentário: